Lei do Distrato Imobiliário: o que ela muda na compra de imóveis?

Lei do Distrato Imobiliário: o que ela muda na compra de imóveis?

Lei do Distrato Imobiliário - compra de imóveis assinatura de contrato

Foto: Reprodução

Recentemente, mais especificamente no dia 28 de dezembro de 2018, foi publicada no Diário Oficial da União a Lei 13.786/2018. Ela regulamenta a Lei do Distrato Imobiliário. Se você está pensando em adquirir um imóvel em breve, é muito importante entender o que diz essa nova norma. Afinal, ela vai impactar em sua negociação. Por isso, para entender mais sobre essa nova lei, continue lendo este artigo.

 

O que diz a lei do Distrato Imobiliário?

Em resumo, a Lei do Distrato Imobiliário determina multa para a construtora em caso de desitência de compra. Portanto, clientes que negociarem um imóvel ainda na planta e fecharem a compra, mas desistirem dela, terão que pagar 50% do montante para a construtora. Essa multa será aplicada por se desfazer do negócio.

A construtora tem o prazo de até 30 dias após a emissão do “Habite-se” para fazer a devolução. Lembrando que o Habite-se é um ato administrativo. Este ato garante que a construção correspondeu ao que estava previsto no projeto aprovado.

Também é importante ressaltar que essa resolução é válida para imóveis que tenham sido negociados no regime de patrimônio de afetação. Ou seja, aquele em que legalmente o terreno e o patrimônio do incorporador são separados.

O intuito é que o imóvel não seja considerado um bem do incorporador. Portanto, que não possa ser tomado para o pagamento de multas, caso ele enfrente a falência.

Outro detalhe: antes de fazer a devolução, a incorporadora tem o direito de descontar do valor total valores referentes à tributação daquela unidade. Além disso, custos como condomínio e outros, caso a unidade tenha chegado a ficar disponível para uso do cliente, também serão abatidos.

Caso o comprador apresente outro interessado na compra daquele imóvel do qual ele está desistindo, a pena contratual que varia de 20% a 50% não será retida. Porém, isso só ocorre se ele tiver a sua capacidade financeira comprovada e o seu cadastro aprovado.


Atrasos na entrega do imóvel

A nova lei também discorre sobre a situação de atraso na entrega do imóvel. Agora, além do prazo previamente estipulado, a construtora poderá estendê-lo em até 180 dias. Esse prazo está isento de incidência de multa ou qualquer outra penalidade. Portanto, dentro desse tempo, não é concedido ao comprador o direito de solicitar a rescisão contratual.

Entretanto, caso passem os 180 dias e o imóvel ainda não tenha sido entregue, o comprador pode solicitar a rescisão do contrato. Ele terá direito a receber de volta os valores pagos e a multa com correção monetária. O prazo para a empresa efetuar esse pagamento é de até 60 dias após o pedido de distrato.


Portanto, mesmo se o comprador não desejar cancelar o contrato, quando as chaves forem entregues ele terá direito a receber uma indenização. Ela equivale ao valor de 1% do que foi pago para cada mês de atraso. Além disso, esse valor possui correção monetária.

É importante que você leia na íntegra a nova lei. Afinal, ela também determina de maneira muito clara tudo o que deve constar no contrato de compra e venda do imóvel. 

Estando consciente de todas essas informações e dos seus direitos enquanto comprador, consequentemente será muito mais fácil fechar um negócio que seja seguro.


Se você gostou desse texto, compartilhe com quem também está em processo de compra de imóvel. Além disso, se quiser entender um pouco mais sobre o assunto, clique aqui. Ademais, assine nossa newsletter para ficar por dentro de mais dicas de compra e notícias do mundo imobiliário.

2019-03-07T17:43:38+00:00